home

Este é um blog escrito por meio das correspondências entre pessoas interessadas em práticas diárias de atenção com os próprios comportamentos, com as relações sociais e com o uso da imagem e som como dispositivo vincular. Nos interessa ressaltar a originalidade e autonomia para combinar diferenças, superar adaptações e desenvolver o pensamento crítico e colaborativo em qualquer território.

Fazemos redes de trabalho, estudo e cuidados pessoais, conscientes da importância da correspondência entre brasileiros com o português falado no Brasil, porque revelam  as estruturas formativas que compõem a biografia de um brasileiro. Conversas para  conectar intensidades e ações sobre a vida das pessoas, informação e alimento para transformar nosso imaginário, nossos comportamentos e práticas de viver.

Nos brasileiros somos a mistura de diferentes países, misturas arbitrárias com os nativos de uma terra que se afirma e resisti por sua capacidade antropofágica, somos estas composições e mestiçagens de diferentes ritmos, culturas, linguagens e histórias. Ampliar, transformar e cultivar comportamentos demanda análise critica das diferentes camadas biológicas e subjetivas que nos constitui.

Nossa habilidade para misturar e improvisar diferentes saídas para problemas antigos à humanidade faz em nós brasileiros, um certo estrangeirismo permanente e identitário, um certo interesse por outras nações, outros modos de viver, outras paisagens. A mestiçagem como nosso bem mais precioso, caro a nossa história e importante as nossas práticas como cidadão, aponta para a necessidade de criar posturas colaborativas capazes de compor sem hierarquizar e colonizar.

A biografia que cada corpo tem é uma realidade histórica, política, geográfica, biológica e pessoal, e são estas camadas que se investiga para  elaborar respostas sobre si próprio. É desta maneira investigativa que construímos o conteúdo para este blog.

Somos biografias vivas de diferentes trajetórias e em cada uma destas, uma história com personalidade própria. Conhecer a si próprio é fazer relações entre o que se sente, vive e experimenta com os acontecimentos a nossa volta. Fazemos assim quando usamos palavras vivas, aquelas cheias de gosto e sotaque para falar dos afetos. Estados de  confiança ampliam a nossa fluência sobre o que sentimos, a fala expressiva é parte ativa na organização das próprias experiências.

Trabalhamos para uma escuta sensível aos modos de conter e expressar afetos em  diferentes fases da vida, entendemos que ao expressar o vivido ativam as estruturas de sustentação e articulação de tudo que nos afeta, usamos músculos, vísceras, pulsos e emoções para metabolizar os acontecimentos, o corpo todo é expressivo porque é assim que processamos a vida em nós quando sensíveis e conectados.